quarta-feira, 29 de abril de 2009

Biblioteca na Era Digital: criação da WDL


Nesta última semana, terça-feira (21) a biblioteca passou dar um passo na Era Digital. A nova atuação faz parte de um projeto da Unesco em parceria com a Biblioteca do Congresso dos EUA em que foi lançado o maior acervo digital disponibilizado na Internet: a World Digital Library.

Neste ambiente, é possível visualizar na íntegra e com excelente qualidade documentos de livros, manuscritos, fotografias e arquivos raros de todo o mundo em sete idiomas. 

Os objetivos da WDL, segundo a Biblioteca Nacional (Brasil),  são, principalmente a disseminação do conhecimento e a conscientização da interação cultural do mundo. 

O Brasil disponibilizou 1.500 mapas raros dos séculos XVI a XVIII e 42 álbuns, com cerca de 1.200 fotografias pertencentes à Coleção de Thereza Cristina Maria, doada pelo Imperador D. Pedro II à Biblioteca Nacional. Esta coleção de fotografias foi registrada como Patrimônio da Humanidade no Programa de Memória do Mundo da UNESCO. 


sábado, 18 de abril de 2009

Twittando nas Bibliotecas

As tecnologias oferecem agilidade e oportunidade de contato de uma instituição ou marca com os seus clientes ou usuários! Quando se estuda o assunto que envolve marketing para bibliotecas vemos que existe existem algumas tecnologias que ajudam a biblioteca a melhorar o relacionamento com os usuários.

Não basta só fazer folders e cartazes para divulgar eventos conforme Sueli Amaral coloca em seus artigos sobre marketing para unidades de informação.

É necessário aproveitar o marketing viral que a Internet possibilita para utilizar ferramentas como o microblog Twitter!!.

Esta ferramenta/serviço permite a uma pessoa/marca/instituição, que seja feita a comunicação a todos aqueles que interessarem de alguma informação através de 140 caracteres através de celular como se tivesse passando uma mensagem de texto SMS.

Recentemente recebi inclusive de alguns professores o seu endereço de Twitter para formar um grupo de seguidores. Já existem inclusive concursos na Internet com astros e estrelas para ver quem atinge a marca de 1 milhão de seguidores primeiro. Pessoas que tem o hábito de ao fazer uma ligação para o celular do colega já iniciam a conversa perguntando "Onde você está?" ou "O que está fazendo?" por que não acompanhá-las pelo twitter. Assim como o google, o twitter já está criando inclusive verbos na lingua portuguesa como o tuitar, tuitando...

Vi num canal de televisão, um programa que trazia uma reportagem em Nova Iorque de um concurso de Twitter onde os participantes eram "premiados" por categorias. É claro que as categorias eram as mais bizarras.

Mas vamos ao emprego mais adequado nas unidades de informação para promover aquele espaço especificamente. Peço aos visitantes que coloquem qual seria o melhor emprego do Twitter nas bibliotecas??

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Excelente Screencasting de Exemplo Biblioteca 2.0

O processo de apresentação da biblioteca no sentido de utilizar os serviços e todo o conteúdo tem evoluído ao longo da sua introdução na Internet. No início os tutoriais eram meramente textuais porém com as ferramentas multimídia essa situação já começa a mudar.
Ao longo das pesquisas e apresentações realizadas por mim na UFC os estudantes da biblioteconomia puderam ver a potencialidade das ferramentas interativas da nova geração da Internet que chamamos de Web 2.0. Sei que alguns professores já trabalham com a geração 3.0, a da websemântica mas pretendo aqui relatar um exemplo de tecnologia que tem tudo para trazer um impacto na visibilidade do site da biblioteca na web.
O Screencasting destacado por Jack Maness como um tutorial multimídia em seu artigo, Teoria da Biblioteca 2.0 e suas implicações, alia imagem, som, video e texto para apresentar o conteúdo do site da biblioteca.
Encontrei este exemplo numa rede social voltada para a temática a library20.ning.com que por sinal já existe o similar em português chamado bibliotecarios20.ning.com.
Se fizermos uma análise do tutorial elaborado pela Emily e as colegas da Biblioteca da Chicago-Kent College of Law do Illinois Institute of Technology podemos ver o cuidado que tiveram com a seleção da ferramenta de edição do video(Camtasia Studio 3 e tutoriais interativos com o Adobe Captivate), o uso de legendas prevendo a acessibilidade a todos os usuários portadores de deficiência auditiva e a divulgação do vídeo final em várias redes sociais como por exemplo o Facebook, Youtube e na rede social citada acima.
Isso por si só já torna conhecida a biblioteca em questão.


A questão principal que quero discutir é se os cursos de biblioteconomia estão preparados para ensinar toda a técnica ou só observar um analista de sistema fazer este serviço?